A magia do toque

0 Flares Filament.io Made with Flare More Info'> 0 Flares ×

{Trilha Sonora}

Outro dia, eu estava pela rua e vi um menino de uns 8 anos, gordinho, com orelhas de abano, óculos, branquinho e tomava uma Fanta de canudinho. Seu pai olhou para ele e perguntou: quer mais Fanta? Ele só balançou a cabeça dizendo não. Me sentei e ao observá-lo senti uma vontade imensa de abraçá-lo e dizer:

– Você é lindo! Está tudo bem. Vai dar tudo certo. Você é um menino inteligente e especial. Eu vou te apoiar, não se preocupe nunca. Não vale a pena. Seja feliz. Eu te amo e sempre que quiser colo, pode contar comigo.

06b460419afe987759bf2eaaad1941ed

Eu mesma me assustei com meus pensamentos diante de um estranho. Ao reconhecer todo o amor que eu tinha para dar para aquela criança visualmente infeliz, não-amada, que aparentemente se sente rejeitada e “errada”, pensei comigo, o que posso fazer por ele sem tocá-lo ou falar tudo isso diretamente? Aí me veio a ideia: visualizei um infinito saindo do meu coração e indo ao coração do menino. Visualizei eu mandando amor para ele e mentalmente eu só repetia: eu te amo! Isso durou no máximo um minuto, mas o tempo parou enquanto eu mentalizava.

Não sei se ele recebeu esta energia que enviei e em seguida encontrei com uma amiga psicóloga (adoro nossos papos porque levo meu conhecimento de tantra e auto-ajuda enquanto ela traz as teorias da psicologia). Neste papo profundo de malucas, nós sempre encontramos um caminho do meio para ambos “mundos”. Com o meu viés de Tantra, contei a ela que me assusta enxergar o quanto todos seres (TO-DOS) apenas precisam de: um toque amigo, um abraço gostoso que dê a sensação de acolhimento com palavras de apoio e amor. Ela completou dizendo que hoje em dia está pior para praticar isto porque o toque é cada vez mais mal visto ou interpretado de forma errônea.

Ela tem razão. É muito triste isso! Pessoalmente, eu já notei que quando estou conversando com alguém que está “meio durão” e, muitas vezes sem querer (ou inconscientemente), encosto na pessoa, o papo muda, o durão desmonora. E não é ao acaso que cada vez mais vemos pessoas com animais de estimação. A troca de toque é uma necessidade humana! Faz bem para a saúde, faz bem para a alma. A pele é o maior órgão do corpo humano.

3bab545a17a018bd96877e6f7fd782a6

Em uma Sessão Bem-Amadas, uma amada me falou que estava de picuinha por tudo com o namorado e ele com ela (lei da ação e reação?). Falei:

– Sei que vai parecer a ideia mais louca de todas, mas por favor, tente! Quando qualquer coisa acontecer e você ver que vai começar a tretinha-picuinha, simplesmente pegue as mãos dele, sentem-se em silêncio onde estiverem e olhe um nos olhos do outro por cinco minutos sem desviar o olhar ou dizer alguma palavra. Isso já reduzirá o problema daquele momento no mínimo em 70%.

53b942c4f5636e7a4b4433510a4198cf

Esta troca é a mais preciosa. A mais importante. É onde todo “bla bla bla mental” é quebrado e o amor de verdade pode ser sentido e cura qualquer coisa. Aprendi desde cedo que quando me desentendo com alguém devo o quanto antes vê-lo pessoalmente, exatamente porque sei do poder de olhar nos olhos e tocar em suas mãos. Parece mágica… tudo é facilmente dissolvido e o tom da voz e da conversa muda. O entendimento e o perdão acontecem naturalmente.

É inegável a energia boa que é possível ser vivida e sentida quando duas pessoas estão dispostas a trocar. O toque é muito poderoso, alguns até dão choque ou arrepio. A descoberta sobre os bloqueios emocionais gravados em nossa pele foi o que me fisgou no Tantra. Um toque sutil pode transformar muita coisa. Por um planeta com menos pessoas travadas, medrosas e por mais criaturas tocadas, conscientes e amorosas, por favor!

0 Flares Facebook 0 Email -- Filament.io Made with Flare More Info'> 0 Flares ×

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>