A fonte das Good Vibes

0 Flares Filament.io Made with Flare More Info'> 0 Flares ×

{Trilha Sonora do texto}

Minha ex-vizinha e amiga me pediu para escrever sobre “como se proteger” das energias “do mal” dos outros. Há mais de uma semana eu estou pensando qual seria a melhor forma para eu explicar o meu parecer sobre isso. Depois de tanto digerir a respeito, bora colocar em palavras.

Vamos lá! Para início de conversa: ninguém, nenhum ser-humano, nem o pior assassino do mundo é 100% do mal (bem-mal/ bom-mau). Até aquela pessoa que você detesta tem diversas qualidades. Se você está apenas enxergando seus “defeitos” é uma escolha sua, nada diz a respeito sobre quem é a pessoa em seu todo. Temos esta mania de pré-julgar situações, pessoas e histórias sendo que se fizermos de forma consciente, veremos que estamos apenas contando a nossa própria versão sobre aquilo mas não é o fato ou a pessoa em si.

Ou seja, em nossa mente escolhemos como enxergamos algo. E ainda assim, nunca será a versão completa. Então, partimos do princípio que SEMPRE devemos ser humildes, mesmo na situação mais humilhante de todas, porque a nossa verdade não é necessariamente a VERDADE em si.

5f48a28db134c4303f0cdc39d81aae4f

Não me sinto segura em dizer que energia ruim existe. Mas posso afirmar com certeza absoluta que uma energia divina, alto-astral, alegre e amorosa existe. Portanto, nós somos apenas responsáveis em trabalhar esta good vibe dentro de nós. O resto é o resto.

Pensando na “lei da atração” (que ficou tão famosa pelo livro “O Segredo“), nós somos absolutamente 100% responsáveis por TUDO a nossa volta. Seja pessoas, seja situações. Nós atraímos para nós, mesmo que inconscientemente, tudo o que existe em nossa mente, e o mais importante, em nossa emoção. Por exemplo, se eu acordo as seis horas da manhã, respiro profundamente ainda na cama e penso: hoje será um dia incrível, aí imagino o meu dia (com uma lista interminável de afazeres); me visualizo fazendo tarefa por tarefa me sentindo bem, feliz, produtiva em cada uma delas, esta sensação automaticamente se estenderá nos meus afazeres. “Sentir a alegria” antes mesmo de vivencia-la é a grande sacada.

Mas você pode me dizer: Ah, mas tal dia eu estava super bem até que … Não interessa o que aconteceu e nem quem você encontrou. O fato é que você ao se deparar com a pessoa ou situação você não levou a sua “good vibe” para o que encontrou no caminho. Te dou garantia que QUALQUER COISA ou QUALQUER SITUAÇÃO que você cruzar e se dispor a vivencia-la levando o seu sentimento interno “bom” ou “do bem”, não te derrubará. Pode ser um hospital, pode ser um velório, pode ser uma pessoa bad vibe.

(***Caso, de cara você não consiga encarar sem se afetar, te aconselho a: assim que sair da situação ruim, a primeira coisa que você deve fazer é encontrar a sua fonte de good vibe).

Se te incomodou profundamente, antes de você abrir a boca “para meter o pau” se questione: Por que é que isto me incomodou? Quais são as emoções que estou sentindo? (raiva, medo, mágoa… por que?).

Um exemplo que gosto de contar na Sessões Bem-Amadas é:

a70918827ea905b294321df54926f4f9

Eu, Helena sou uma pessoa hiper sensível e muito (mas muito) emotiva. Desde criança quando alguém grita ou fala grosso comigo me machuca. Eu sinto fisicamente o grito da pessoa na minha barriga. Sempre briguei comigo mesma, dizendo “deixa de ser frágil”, “crie uma casca”, “deixe de ser magoável”etc. Até que um belo dia, ouvi um desses gritos comigo, tipo “uma patada aleatória”. Ao invés de eu também “brigar e gritar” comigo ou com a pessoa, mudei a estratégia: respirei e deixei esse trosso horrível fluir na minha barriga. Dentro de mim, pensei:

– Estou bem, estou feliz, estou ótima, meu dia está fluindo bem e não vou deixar esse grito aleatório estragar a energia maravilhosa que está presente dentro de mim.

Respirei mais um pouco e percebi que meu coração seguia acelerado por causa do grito alheio. Levei as duas mãos para ele, do tipo, se acalme, não é com você! E aí PÁÁÁÁ! Eureka!

Me dei conta que o que me machucava era: por eu ser tão sensível, mesmo se eu estivesse feliz, ver alguém “alterado”, “fora de seu centro”, “sem esta energia divina e amorosa correndo dentro dela” me machucava como se eu estivesse alterada. Mas uma vez que me tornei consciente que esta energia ruim é da pessoa, que esta falta de amor está no outro e não em mim, só me fez a partir daí reforçar a MINHA energia boa. E com sorte, consigo contagiar o outro. Mas se eu não consigo, tudo bem, portanto que eu mantenha a minha good vibe comigo e siga compartilhando com quem está afim.

E como eu mantenho a minha good vibe comigo, você me perguntará…

4d900878d8ca866931b8c03d2d141149

Milhares de velas podem ser acesas de apenas uma única vela, e a vida desta vela não será mais curta. A felicidade nunca é diminuída por ser compartilhada. – Buda

Eu acho que cada um tem um jeito de viver e gostos distintos. Mas para mim há uma lista infindável de fontes good vibes a minha disposição. Muito mais fontes boas do que fontes ruins.

Fontes de GOOD VIBE para mim: ouvir música boa (que tenha uma letra que me inspire), ver estrelas, viajar, sentir o vento, assistir filmes engraçados, dançar, tomar café com canela, caminhar, sentar em um balanço, matar saudades, dirigir ouvindo música alta, cheirar uma flor, cozinhar, ligar para um bom amigo, pisar descalça na grama, respirar profundamente contando até 10, ler um texto bonito, nadar, abraçar forte pessoas (como contei aqui, até um desconhecido pode ser uma fonte de amor), yoga, mergulhar no mar, tomar um chá, acender velas ou incensos, cantar, massagens, banho quente… e assim por diante. Busco em qualquer lugar “minhas fontes de good vibes”. Eu sou a pessoa responsável para encontrar a good vibe aonde quer que eu esteja.

Mas aqui vai também a lista BAD VIBE que corto ao máximo possível (porque se eu sei que não estimulará a minha good vibe, para que eu vou querer por perto?): assistir televisão (noticiários com desgraças e tragédias), fofocas maldosas (críticas, como por exemplo as revistas sensacionalistas), lugares fechados e escuros, lugares com concentração de muitas pessoas e muito barulho (seja shopping, seja festivais), pessoas frias que vestem uma carapaça por medo de demonstrar fragilidade ou de se exporem emocionalmente, pessoas apegadas em excesso ao material ou a estética…

Lógico que no decorrer da vida, muitas vezes, precisamos enfrentar lugares ou pessoas que não vibram na mesma sintonia. Evite, mas se é inevitável, trabalhe a sua energia… é a única pela qual você é responsável. Amo uma frase que ouvi uma vez que me confortou e virou um mantra interno:

– Pode haver dez almas negras, mas basta apenas uma alma de luz entrar neste lugar que tudo se iluminará. E se houver dez almas de luz, nunca uma alma escura entrará.

É isso. Busque o seu prazer. Busque a sua alegria e sua a fonte de amor na vida. Busque o seu conhecimento, porque quanto mais nos conhecemos, mais nos tornamos pacientes e sentimos compaixão com os outros que não vivem a good vibe que vivemos. E emanando isso para o Universo, posso te garantir que ele te devolverá com uma “lei da atração” fabulosa. :)

0 Flares Facebook 0 Email -- Filament.io Made with Flare More Info'> 0 Flares ×

4 thoughts on “A fonte das Good Vibes

  1. Pingback: Carta à Helena | O Mundo é das Bem-Amadas

  2. Pingback: A magia da simpatia | O Mundo é das Bem-Amadas

  3. Pingback: A Traição | O Mundo é das Bem-Amadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>